terça-feira, 30 de agosto de 2011

Prefeitos das cidades atingidas pelas enchentes cobram do governo posição sobre casas e recursos

Os prefeitos querem que Teotônio Vilela  cumpra o acordo feito por ocasião do início da reconstrução
Prefeitos das cidades atingidas pelas enchentes se reúnem


Os prefeitos dos dezenove municípios atingidos pela enchente de 2010 decidiram nesta segunda-feira (29/08) encaminhar ao governador Teotônio Vilela Filho documentos para definir responsabilidades sobre as casas que estão sendo construídas e mais postos de saúde, escolas, terraplenagem e custeio de despesas. A situação se agravou porque há dúvidas junto a Caixa Econômica Federal  sobre a entrega dos imóveis , tendo em vista o financiamento ter sido feito através do programa Minha Casa, Minha Vida que prevê contrapartida financeira.

Os prefeitos querem que Teotônio Vilela  cumpra o acordo feito por ocasião do início da reconstrução onde  o governo  garantiu que o Estado suportaria a contrapartida financeira devida pelos beneficiários. “Os prefeitos estão sendo cobrados a pagar uma conta que não é nossa”, disse o vice-presidente da AMA, prefeito Palmey Neto que coordenou a reunião que teve a participação de todos os dezenove prefeitos. Ele acredita que o governador não vai recuar porque o assunto é de extrema importância para milhares de famílias que não terão condições de pagar custos cartorários e nem prestações.

Os prefeitos esclarecem que o programa além de beneficiar famílias em estado de pobreza também irá atender uma outra parcela  importante de pessoas atingidas pela catástrofe das enchentes ,com renda mensal bruta inferior a R$ 1.600,00.

Além das casas, os prefeitos também oficializaram ao governador a necessidade de um posicionamento com relação a construção dos postos de saúde, escolas, outros prédios atingidos, como creches , terraplenagem e levantamento topográfico. O prefeito Marcelo Lima, de Quebrangulo mostrou, na reunião, que os prefeitos até podem fazer a doação de terrenos se houver disponibilidade, mas nunca arcar com a infra–estrutura. “Os recursos da reconstrução vieram para o Estado. Os municípios já bancam contas desde novembro de 2010 como pagamento de aluguel social, cestas básicas entre outros itens, sem receber o repasse devido”, acrescentou.

Além do documento os prefeitos querem uma audiência em caráter de urgência com o governador, o vice-governador que coordena os trabalhos do escritório de reconstrução, com a participação dos secretários de Infra-estrutura, Saúde, Educação, Assistência Social e Procurador Geral do Estado. Só depois desse encontro é que o grupo dos 19 decidirá como vai encaminhar as exigências  federais que estão sendo feitas aos municípios.

Por: ASCOM / AMA
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Um comentário:

  1. Olá bom dia meu nome é João Santos Dono do S1 Notícias, moro em solidão - PE e gostaria parabenizalo pelo ótimo trabalho que você tem feito com este blog.

    Queria fazer uma parceria entre nosso o meu Site e Seu Blog. Pois eu criei este site há quatro dias e estou começando agora!

    Contatos
    Email: joaosantos1938@yahoo.com.br
    MSN: joao.santos1938@hotmail.com
    Twitter: @S1Noticias

    S1 Notícias
    http://s1noticias.blogspot.com/

    Aguardo sua resposta!
    João Santos

    ResponderExcluir

Queridos internautas, não aceitamos em hipótese alguma comentários que ofendam a moral de ninguém, pois o portal é um espaço de informação e comunicação, a nós cabe apenas informar de um jeito honesto e igualitário para todos, obrigado pela compreensão!
Após escrever seu comentário, na opção "Comentar como:" escolha a opção NOME/URL para facilitar. Preencha só o campo NOME, escrevendo seu nome. Agradecemos o comentário!