quinta-feira, 23 de junho de 2011

Desabrigados terão que pagar pelas casas em Alagoas

Um ano depois da tragédia, nenhuma casa foi entregue e apenas uma escola foi construída em Alagoas



Os desabrigados das enchentes de junho de 2010, que devastaram pelo menos 19 cidades alagoanas, vão ter que pagar pelas casas que estão sendo construídas para eles em Alagoas. Quem ganha até um salário mínimo deverá pagar pela casa uma prestação mensal de R$ 50 por dez anos. Quem recebe acima do mínimo, terá que pagar prestações de até 20% do valor da sua remuneração mensal, também por um prazo de dez anos.
Até agora, nenhuma casa foi entregue. Os flagelados continuam morando em abrigos improvisados e debaixo de barracas de lona entregues pela Defesa Civil Estadual. As casas que estão sendo construídas terão padrão único, com 41 metros quadrados de área construída, dividida em dois quartos, sala, cozinha, banheiro, varanda e área de serviço. O tempo estimado para a construção dos conjuntos habitacionais é de 12 meses, mas a maioria das casas dificilmente será entregue dentro do prazo.
As informações foram divulgadas na semana passada pelo vice-governador de Alagoas, José Thomaz Nonô (DEM). Nonô fez um balanço das obras de recuperação das 19 cidades atingidas pelas enchentes em Alagoas, entre os dias 18 e 19 de junho do ano passado.
Segundo Nonô, 17,6 mil casas estão sendo construídas pela Caixa Econômica Federal para os desabrigados em Alagoas. “Como a construção dessas casas é pelo programa ‘Minha Casa, Minha Vítima’, será cobrada uma quantia de cada família, mas estamos tentando junto ao governo federal a liberação total das prestações, pelo menos para as famílias com renda de até um salário mínimo”, afirmou Nonô.
Cada casa teria um custo médio de R$ 42 mil. Para a construção das 17,6 mil casas, a Caixa teria reservado R$ 713 milhões. Parte desses recursos, algo em torno de R$ 110 milhões já teriam sido gastos, segundo o governo do Estado. O secretário de Infraestrutura do Estado, Marcos Fireman, disse que também serão construídas 250 casas em Jundiá, 99 em Ibateguara e 90 em São Luiz do Quitunde, pulando para cerca de 18 mil o números de casas oferecidas aos desabrigados.
Segundo Marcos Fireman, o Estado de Alagoas ainda dispõe de R$ 300 milhões para investimentos em infraestrutura; R$ 75 milhões para gastos da Defesa Civil com a assistência aos desabrigados; R$ 122 milhões para obras na educação; R$ 29 milhões para obras do setor saúde, R$ 90 milhões para obras de recuperação de equipamentos urbanos e R$ 35 milhões para acesso aos novos conjuntos habitacionais.
Fireman disse ainda que o governo federal destinou, esta semana, R$ 8 milhões para projetos de prevenção de catástrofe, como contenção de barreiras e monitoramento dos rios. De acordo com o secretário, o monitoramente dos rios já está sendo feito pela Secretaria Estadual de Recursos Hídricos.
De acordo com o vice-governador a construção de casas para desabrigados está mais avançada nos municípios de Rio Largo e Quebrangulo. No município de Santana do Mundaú, onde serão construídas quase 2 mil casas, apenas os trabalhos de terraplanagem do terreno foram iniciados, já que o poder público teve dificuldade de encontrar uma área segura, longe do rio, para a construção do conjunto residencial.
Por: Almanaque Alagoas
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

5 comentários:

  1. É muita conversa do Poder Público, o Governador fez a maior campanha em cima da construção das casas e até agora nada esse Teo é péssimo e o Vice nem se fala. Nos enganaram com a promessa das casa, só querendo nossos votos.

    ResponderExcluir
  2. mundauense, distantedomingo, 26 junho, 2011

    Caros infelizmente ainda existe essa politicagem com a situaçõa de dsgraça do povo ... É lamentável, que Deus fortaleça e Senhora Sant"Ana interceda por todos...

    ResponderExcluir
  3. Todos os desabrigados das enchentes de 18 de junho de 2010, ao fazer os cadastro para receber as casas foram informados que seriam grátis. E depois de um ano o vice-governador anuncia que as familias tem que pagar pelas casas e ainda pior que o pagamento tem que ser 20% acima de dois sálarios,o governo quer que as familias passam necessiadades durante dez anos? E ter pagar por tudo que perdermos, sem ter culpa da tragedia,pois as autoridades que representam a sociedade precisam rever essa situação. O povo tem que ser respeitado por aquilo que ainda hoje chora com a tragedia. Acorda politicos da nossa região e vizinhos de outros estados vamos nos unir e derrubar essa decisão tomada por aqueles que se diz repesentar a sociedade. Ninguém merece ter uns represantes que tudo aceita. Precisamos de justiça!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. o que a prefeita de Ibateguara esta esperando para começar as casas populares, as esperanças dos desabrigados ja estão acabando.

    ResponderExcluir
  5. Ibateguara cidade municipio da impunidade, ontem dia 18 no povoado de canastra o filho do veriador Carlos Manduca estava bebado fazendo rali a tropelou um cidadão com montado num cavalo e a policia ainda deu razão ao filho do veriador por ser filho do veriador ficou impuni

    ResponderExcluir

Queridos internautas, não aceitamos em hipótese alguma comentários que ofendam a moral de ninguém, pois o portal é um espaço de informação e comunicação, a nós cabe apenas informar de um jeito honesto e igualitário para todos, obrigado pela compreensão!
Após escrever seu comentário, na opção "Comentar como:" escolha a opção NOME/URL para facilitar. Preencha só o campo NOME, escrevendo seu nome. Agradecemos o comentário!