sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Albinos reclamam de falta de assistência para proteção da pele

Henrique tem nove anos e já apresenta na pele lesões pré-malígnas comuns numa pessoa de 50 anos. O menino albino vive na comunidade quilombola em Santana do Mundaú, a anomalia é transmitida geneticamente e ocorre com mais frequência devido ao casamento entre primos.


A cada três meses a pele dos quilombolas albinos é avaliada no Hospital Universitário (HU) já que todos têm grande possibilidade de desenvolver câncer de pele em idade precoce.


Como todos dependem da terra para sobreviver é impossível não se expor ao sol, os albinos não produzem melanina suficiente para proteger a pele, por isso o uso do protetor solar é essencial. Há mais de um ano o governo do Estado prometeu doar protetor solar e óculos de sol para os nove albinos que vivem na comunidade, mas segundo os quilombolas os óculos nunca foram entregues e os protetores só durante três meses.

Por: Gazetaweb.com
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Queridos internautas, não aceitamos em hipótese alguma comentários que ofendam a moral de ninguém, pois o portal é um espaço de informação e comunicação, a nós cabe apenas informar de um jeito honesto e igualitário para todos, obrigado pela compreensão!
Após escrever seu comentário, na opção "Comentar como:" escolha a opção NOME/URL para facilitar. Preencha só o campo NOME, escrevendo seu nome. Agradecemos o comentário!