terça-feira, 23 de novembro de 2010

Reflexão sobre o Natal

Padre Valmir Galdino
Já estamos se aproximando do Natal... e a equipe Mundaú Notícias recebeu dois textos de reflexão sobre o Natal, do Padre Valmir Galdino, administrador paroquial de Messias e Flexeiras-AL, e que também passou pela paróquia de Santa Ana, aqui em nossa cidade. 

Se você também deseja que seu texto, poema, poesia, música e etc., seja publicado aqui no Mundaú Notícias, é só enviá-lo para mundaunoticias@hotmail.com 

Fique agora com os textos do padre Valmir: 

 

Um jeito todo diferente de se preparar para o Natal

Falta apenas um mês para o Natal



Eis que se aproxima o tempo Santo do Natal. Quanta alegria para nós celebrar a encarnação do Filho de Deus, a manifestação da bondade, da generosidade de Deus para com uma humanidade enfraquecida, escarnecida pelo pecado

Aproxima-se para nós a manifestação da LUZ que brilha sob todo ser humano, o sol da justiça que traz para nós, todos nós, a salvação. Aproxima-se para nós o tempo da graça, Deus veio, Ele mesmo, nos visitar, nos trazer esperança, novo vigor. 

Para isto, para celebrarmos bem o tempo Santo do Natal, a Igreja, em sua sagrada liturgia, nos oferece um outro tempo, um tempo que nos prepara para o Natal do Senhor chamado Advento (do latim adventus: “chegada”, do verbo Advenire: “chegar a”). Realmente, no tempo Santo do Advento nos preparamos aguardando a feliz chegada do Senhor que vem. 

Todavia, essa preparação não deverá nunca ser de qualquer jeito, não deverá ser nunca da roupa nova, também da casa nova ou de novos móveis, não. A preparação que nós fazemos será a do coração, da vida. A arrumação que nós faremos será das atitudes.

No advento, rezando, meditando a Palavra de Deus, celebrando a novena do Natal, participando do sacramento da Confissão nos preparamos, de verdade, para o Natal dAquele que vem. No advento, abrindo-nos à graça de Deus que nos consola, converte e enche as nossas mentes de santas expectativas aguardamos o Senhor.

Mas nesse tempo santo do Advento devemos ter cuidados especiais, cuidados cristãos. Não troquemos o nosso Advento pelas preocupações consumistas, por tantas coisas “novas”. Pois o comércio está aí, nos ensinado tronxamente que nos preparamos bem para o Natal quando também compramos bem, compramos muito. As ofertas ditas de “natal”, o do comércio, são tentadoras, contagiantes e contaminantes. Cuidado, não enveredemos por este caminho.

Celebrar bem o advento e por consequência o Natal significa celebrar rezando, sempre rezando. Meditando os textos bíblicos que a liturgia da palavra nos indica, nos faz saborear o projeto salvífico de Deus para nós, nos aproxima do mistério da encarnação, nos edifica.

Não esqueçamos dos enfeites de natal, eles, de forma artística e artesanal nos falam suavemente do tempo da graça. Por isso preparemos, desde já, o presépio, as luzes, as cores, pois eles evidenciam que é natal. Atentemos, porém, para o grande risco do dito “papai Noel”, pois ele tem a sutil missão de destronar o pequeno rei, nascido pobre, muito pobre na doce e santa Gruta de Belém.

Portanto, celebremos o advento como verdadeiros cristãos, esperando a feliz chegada de Jesus, o nosso salvador e redentor, que sutilmente entrou na nossa história e deu sentido, muito sentido, às nossas vidas, que dá pleno e perfeito sentido à nossa humanidade.

Enfeites de Natal

Nos últimos dias temos sidos bombardeados por inúmeros comercias, em especial de televisão, nos convidandos às compras. Umas compras um tanto complexas e sem sentido: os efeites de natal. 

Sim, a todo instante somos instigados a consumir, comprar, gastar. Tudo isto fruto de uma sociedade mesquinha e egoísta, que pauta sua existência por um consumismo desenfreado, louco e sem critérios. Que encontra “satisfação” pelo prazer de consumir coisas e até pessoas.
Quanta pobreza espiritual. Quanta miséria moral achar que comprar faz bem à alma, à saúde, que resolve os problemas e dilemas da vida. Quanta ignorância acumulada achar que o natal somente o será se comprarmos muito, se comprarmos tudo, simplesmente se comprarmos.

Vivemos no mundo do descartáveis. Pois compra-se uma geladeira este ano, no próximo, devido a insistênsia abusiva do comerciais, achamos que já está na hora, na exata hora de trocá-la. E assim as pessoas, trocam de carro, trocam as cores da casa, trocam os móveis, trocam a vida, o sentido e valor da vida por tantas bobagens, por coisas insignificantes. Quanta sequidão espiritual, quanta sequidão na fé.

Ah! Nesse troca-troca há mulheres que, abusadas de seus maridos, troca-os por outros, mais jovens, mais sarados ou, então, mais bombados, de bons papos. Há também maridos que trocam de mulheres, trocam pelas mais jovens, mais belas e formosas, pelas gatinhas. E assim homens e mulheres saem trocando, saem deixando de lado o sentido da vida. 

A mídia a toda hora quer nos ensinar a todo custo, custo mesmo, que devemos comprar, consumir, trocar. As lojas apresentam promoções espetaculares, fantásticas, formidáveis em nome de um natal que não é nem nunca será o de Jesus. Vejam que ainda mal começamos o mês de novembros e as propagandas consumistas estão aí, a todo vapor, disvirtuando o sentido do nascimento de Cristo, coagindo-nos ao comprar, sempre comprar, a trocar, trocar mesmo.

Essa é a moda. Essa é a nossa sociedade, sociedade dos descartáveis, dos desvalores. Que pena que chegamos a esse ponto. Que pena que as pessoas medem a vida pelos bens que tem, pelas coisas que possuem, pelo jeito de andar e se vestir. Que pena que o homem mede as coisas pelo exterior, pelo que está por fora. E nunca pelo interior, assim como faz conosco Deus.

Logo, numa sociedade exacerbadamente consumista como a nossa, numa sociedade marcada e pautada por desvalores, marquemos a vida, nossa pobre vida, por outros valores. Nunca do compra-compra, jamais do troca-troca. Mas, sim, pelos valores, e que valores, valores do Evangelho, que não é uma coisa, tem nome, é Jesus. Enfeitemo-nos de Jesus, das coisas de d´Ele, de suas palavras e dos seus gestos. Somente ele, e nunca nenhum outro nos trará a sincera e autêntica felicidade. Só Jesus nos trará, nos poderá dar a verdadeira Paz.
Portanto, efeites de natal são e sempre serão apenas efeites vazios e anêmicos efeites de natal.

Pe. Valmir Galdino
Adm. Paroquial: Messias/Flexeiras-AL

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

5 comentários:

  1. THIAGO ALVINO (repórter)terça-feira, 23 novembro, 2010

    BELÍSSIMA REFLEXÃO!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Ameii essa reflexão!

    ResponderExcluir
  3. Não há nada que façamos para Deus nos amar mais, e não existe imperfeição alguma em nossa vida que faça Deus nos amar menos. Sempre que vc vinher a cair, levante a cabeça, nada está acabado, porque Deus te ama do jeito que vc é. Tenha um bom dia, abraço!
    Para toda equipe do Mundaú Notícias.Grande abraço !

    ResponderExcluir
  4. Padre Valmir é excelente nas reflexões que ele faz!

    ResponderExcluir
  5. vindo desse sabio pe.walmir,so pode ser reflexoes
    belissimas.
    que Deus o abençoe sempre , seus ensinamentos guardaremos pra sempre em nossos coraçaoes.

    ResponderExcluir

Queridos internautas, não aceitamos em hipótese alguma comentários que ofendam a moral de ninguém, pois o portal é um espaço de informação e comunicação, a nós cabe apenas informar de um jeito honesto e igualitário para todos, obrigado pela compreensão!
Após escrever seu comentário, na opção "Comentar como:" escolha a opção NOME/URL para facilitar. Preencha só o campo NOME, escrevendo seu nome. Agradecemos o comentário!